quinta-feira, 27 de novembro de 2008

LEPTOSPIROSE(SP) EM NATAL - É AMANHÃ



Dia 28 de novembro de 2008

Natal/RN


Tudo pode acontecer numa sexta-feira à noite. Cortando a rotina da capital do cakiado, às 22:00 horas no Centro Cultural Dosol, Ribeira acontece o encontro entre desregulados de vários tamanhos e lugares diferentes. Uma festa inusitada com ritmos efervescentes que terá inicio com os anfitriões:

Os Bonnies, desde 2000 que esses sujeitos sacodem as noites natalenses com seu Chuck Berry de pedreiro, uma espécie de rockabilly misturado com artimanhas criadas por eles mesmos. Vampiros, cupidos e adolescentes briguentos se misturam na psicodelia entre as guitarras e os teclados nessa suave e feroz banda que a cada dia recria sua maneira de existir e surpreende seus apreciadores, seja através da música ou de seus videoclipes, feitos com desenhos animados pelos próprios integrantes da banda.




Mahatma Gangue, a segunda banda da escalação são esses delinqüentes vindos de “Mossoró Crater City” que em quase 1 ano de existência, lança seu primeiro cd/ep chamado Ritmo Selvagem. Imagine os Ramones voltando no tempo, se encontrando com os Ventures e marcando um encontro com os Saicos. Esses surfistas punks do sertão vêm para mostrar que a viagem “back from the grave” nunca acaba.




Leptospirose, para abrilhantar a noite, os desmiolados caipiras vindos de Bragança Paulista/SP. Eles que vêm galopando em seu novo cd, “Mula Poney” em sua 1º turnê tour pelo nordeste, poucos meses após capotarem uma van em sua turnê tour pela Europa, mostrando que não existe limite nem descanso para o rock and roll. Eles se definem como Marginal Rock, e nada é mais fiel ao som que eles fazem do que essa definição. Ora Dead Kennedys, ora The Who, ora Joy Division, oraMotorhead, ora Tim Maia, ora Ramones, mas sempre com dose exagerada de humor e letras que parecem terem sido escritas por altistas da APAE.




Uma noite para gente maluca onde ritmos e universos diferentes e iguais se cruzam. Caipiras, morcegos, feiticeiras, adolescentes apaixonados, furiosos, muito altismo, coisa sem sentido e dadaísmo levado as últimas conseqüências. Você não está pinel de perder o encontro entre Quique Brown e James Dean, está?


Natal/RN - Dia 28 de novembro

BANDA DISTRO LANÇA NOVO LAYOUT E NOVA MÚSICA NO MYSPACE


A banda dos pregos do Distro(RN), está de myspace novo e a música "Queimada", parte do cd recém lançado "Tétano" está lá pra galera ouvir. Música com ar alternativo e pop e refrão forte. O novo layout, assim como a capa do cd da banda foram feitos pelo designer Gustavo Rocha, vulgo Macaco que toca no Calistoga, e tá sempre fazendo trabalhos pros rockeiros da cidade, o bicho é rocha mesmo!!!! Saca ae:

MYSPACE DISTRO

PRÊMIO ROCK POTIGUAR - COMO FOI?


Conteúdo: Dosol
Foto:Arquivo Seu Zé
Com 7 troféus o SeuZé foi o grande vencedor do Prêmio Rock Potiguar 2008. A turma ganhou em várias categorias e ainda arrastou prêmios individuais de compostior, instrumentista e outros. O Dosol também foi um dos combos mais premiados com Anderson Foca levando o troféu de melhor produtor artístico e melhor produtor cultural.O melhor evento do ano também veio pro Dosol com o já histórico show do Matanza no começo do ano no Centro Cultural.

ALANIS MORISSETTE NO BRASIL



Conteúdo:UOL
Foto: PopCrunch
Em turnê com o novo disco "Flavors of Entanglement", Alanis Morissette volta ao Brasil para dois shows já no início de 2009. A cantora canadense já tem data confirmada em Recife e em Florianópolis.

No Nordeste, a apresentação será em 30 de janeiro no Chevrolet Hall. No sul, o show está marcado para 7 de fevereiro na Pacha Floripa, localizada na praia de Jurerê Internacional.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

TERCEIRO PRÊMIO ROCK POTIGUAR - É HOJE


É hoje a terceira edição do Prêmio Rock Potiguar, uma iniciativa do Portal Rock Potiguar, chefiado pelo Rodrigo Cruz, que já tem experiência com produção de bandas e eventos do rock local. Uma ação pra somar ao rock local que está em total efervescência. Segue os indicados, não dá mais pra votar, agora é só torcer!!!!

III Prêmio Rock Potiguar

Melhor banda rock do RN em 2007

Mad Dogs
Baby Please
SeuZé
Rosa de Pedra
Comando Etílico
Os Bonnies
NêguEdmundo
MobyDick

Melhor banda rock do interior do RN em 2007

Parole (Mossoró)
Subgrave (Pau dos Ferros)
Pedu Breu (São Gonçalo do Amarante)

Melhor show de rock realizado no RN em 2007

Móveis Coloniais de Acaju (Mada)
Matanza (Festival DoSol)
Rockassetes (Mada)
Fóssil (Budda Pub)
Tom Zé (Capitania das Artes)
Rita Lee (Machadão)

Melhor instrumentista de cordas rocker do RN em 2007

Carlos Suassuna
Edu Gomez
Ticiano D’Amore

Melhor instrumentista de percussão rocker do RN em 2007

Xandi Rocha
Fernando Suassuna
Rogério Pitomba

Melhor CD de banda rock do RN lançado em 2007

Simpes (Allface)
Nostalgia!?! (Experiência Ápyus)
A comédia Humana – Solidão (SeuZé)

Melhor vocalista rock do RN em 2007

Tropeço (Baby Please)
Clênio Maciel (Uskaravelho)
Dante (The Sinks)
CBI (Mad Dogs)
Lipe Tavares (SeuZé)
Paulo (Revolver)
Herval Padilha (Comando Etílico)
Magdiel (Zero8Quatro)
Gil (JackBlack)
Rodrigo Lacerda (Lunares)
Glay Anderson (MobyDick)

Melhor Música rock do RN em 2007

O que é da terra (Cabozó)
Nada vai Mudar (Allface)
Três Conceitos (Decreto Final)
Estação Antiga (Comando Etílico)
Mundo Refém (Adriano Azambuja)
Blues Ilegal (MobyDick)

Melhor vídeo-clipe de banda de rock do RN lançado em 2007

Ana Razão (SeuZé – Direção: Nueva Onda)
Pram! (Os Bonnies – Direção: Olavo Luiz e Arthur Rosa)
Doce Avenida (Bugs – Direção: Joca Soares)

Melhor letrista / compositor rock do RN em 2007

Lipe Tavares
Marlos Ápyus
Jão Saraiva
Harrison Araújo
Adriano Azambuja
Rômulo Tavares

Melhor produtor musical rock do RN em 2007

Wilberto Amaral
Edu Pinheiro
Anderson Foca

Melhor produtor cultural rock do RN em 2007

Anderson Foca
Jomardo Jomas
Camila Pedrassoli

Revelação musical rock do RN em 2007

Cabozó
The Sinks
Ravanes
Orquestra Boca Seca
Lunares
AK-47

Melhor jornalista cultural rock do RN em 2007

Vinicius Menna
Tadzio França
Michelle Ferret
Alex de Sousa
Mario Ivo Cavalcanti
Hugo Morais
Moises de Lima
Isaac Ribeiro

Melhor site de banda de rock do RN em 2007

www.seuze.net
www.kassava.com.br
www.osbonnies.com.br
www.janefonda.com.br

FESTIVAL EL MAPA DE TODOS COMEÇA AMANHÃ



Fonte: Press Release
Foto: Renato Reis
Nos próximos dias 27, 28 e 29 de novembro, acontece em Brasília o festival “El Mapa de Todos”, reunindo artistas do Peru, Chile, Argentina, Uruguai, Espanha, Portugal e Brasil. Mais um “Projeto Senhor F”, o festival tem curadoria do editor do portal Senhor F, Fernando Rosa, e co-produção de Senhor F e Scatter Records, de Buenos Aires. O festival é realizado em parceria com o Espaço Brasil Telecom, também sede do evento.

Entre as atrações do Festival El Mapa de Todos estão Babasonicos, uma das bandas mais importantes do rock em espanhol atualmente, e La Quimera del Tango, ambos da Argentina, Turbopotamos do Peru (que abriu recemente para o REM, em Lima), Javiera Mena do Chile, Sr. Chinarro da Espanha, Azevedo Silva de Portugal e Danteinferno do Uruguai - visite o MySpace de cada um dos artistas (abaixo).
Do Brasil, destaca-se Marcelo Camelo, que lança em Brasília seu primeiro disco em carreira solo, Mundo Livre S/A, Macaco Bong e Beto Só, o anfitrião brasiliense.

O festival ainda contará com mais dois artistas nacionais, escolhidos por meio de seleção do portal iG. Além de shows, haverá feira de discos, apresentação de vídeos e debates sobre a integração regional.

Filiado a Abrafin (Associação Brasileira de Festivais Independentes), o festival integra o calendário oficial de atividades do Ministério da Cultura para o Mercosul. Neste semestre, o Brasil ocupa a presidência Pro Tempore do Mercosul, com a atribuição de gerir todas as frentes de atuação.

O evento será transmitido integralmente e ao vivo pelo Canal Integración para toda a América Latina. A Rádio Câmara também tranmitirá os shows ao vivo, com emissão disponível na internet. A TV Brasil registrara o evento e produzirá programas especiais sobre o festival e seus conteúdos. Na quinta e na sexta-feira, o programa “Atitude.com” (das 18 às 19 horas) será veiculado diretamente do festival.

“O festival El Mapa de Todos é um desdobramento, uma evolução do Senhor Festival. Depois de organizar o evento por três anos, com essas características, em 2007, com participação de artistas da Argentina e do Chile, decidimos ampliar o conceito”, diz Fernando Rosa, idealizador do festival. “Então - segundo ele - na terceira edição do Senhor Festival, anunciamos, em novembro do ano passado, o El Mapa de Todos, focando a idéia da integração sul-americana, inicialmente”. “Na época, prometemos realizar o festival ainda neste ano, o que estamos cumprindo agora, um ano depois”, comemora.

Com dez anos na rede, o portal Senhor F tem um histórico de ligação com a música em espanhol. Nesse período, passaram pelas páginas do portal a origem do rock da região, as suas principais bandas e os discos mais importantes. A Agência Senhor F também acompanha as cenas independentes atuais, as novas bandas que surgem e os lançamentos.

Recentemente, ampliando essa conexão, a produtora Senhor F criou o programa Senhor F Sem Fronteira, veiculado pela Rádio Câmara ao vivo e pela internet. Voltado para a música ibero-americana, o programa já chegou à quadragésima-terceira edição, apresentando mais de 400 artistas, e transformando-se em referência da música sul e ibero americana no Brasil.

A programação

Quinta - 27/11

Beto Só (Brasil)
Azevedo Silva (Portugal)
Danteinferno (Uruguai)
Marcelo Camelo & Hurtmold (Brasil)

Sexta - 28/11

Seleção iG (Brasil)
Macaco Bong (Brasil)
Turbopotamos (Peru)
Babasónicos (Argentina)

Sábado - 29/11

Seleção iG (Brasil)
La Quimera del Tango (Argentina)
Javiera Mena (Chile)
Sr. Chinarro (Espanha)
Mundo Livre S/A (Brasil)

LEPTOSPIROSE(SP) EM NATAL - É SEXTA



Dia 28 de novembro de 2008

Natal/RN


Tudo pode acontecer numa sexta-feira à noite. Cortando a rotina da capital do cakiado, às 22:00 horas no Centro Cultural Dosol, Ribeira acontece o encontro entre desregulados de vários tamanhos e lugares diferentes. Uma festa inusitada com ritmos efervescentes que terá inicio com os anfitriões:

Os Bonnies, desde 2000 que esses sujeitos sacodem as noites natalenses com seu Chuck Berry de pedreiro, uma espécie de rockabilly misturado com artimanhas criadas por eles mesmos. Vampiros, cupidos e adolescentes briguentos se misturam na psicodelia entre as guitarras e os teclados nessa suave e feroz banda que a cada dia recria sua maneira de existir e surpreende seus apreciadores, seja através da música ou de seus videoclipes, feitos com desenhos animados pelos próprios integrantes da banda.




Mahatma Gangue, a segunda banda da escalação são esses delinqüentes vindos de “Mossoró Crater City” que em quase 1 ano de existência, lança seu primeiro cd/ep chamado Ritmo Selvagem. Imagine os Ramones voltando no tempo, se encontrando com os Ventures e marcando um encontro com os Saicos. Esses surfistas punks do sertão vêm para mostrar que a viagem “back from the grave” nunca acaba.




Leptospirose, para abrilhantar a noite, os desmiolados caipiras vindos de Bragança Paulista/SP. Eles que vêm galopando em seu novo cd, “Mula Poney” em sua 1º turnê tour pelo nordeste, poucos meses após capotarem uma van em sua turnê tour pela Europa, mostrando que não existe limite nem descanso para o rock and roll. Eles se definem como Marginal Rock, e nada é mais fiel ao som que eles fazem do que essa definição. Ora Dead Kennedys, ora The Who, ora Joy Division, oraMotorhead, ora Tim Maia, ora Ramones, mas sempre com dose exagerada de humor e letras que parecem terem sido escritas por altistas da APAE.




Uma noite para gente maluca onde ritmos e universos diferentes e iguais se cruzam. Caipiras, morcegos, feiticeiras, adolescentes apaixonados, furiosos, muito altismo, coisa sem sentido e dadaísmo levado as últimas conseqüências. Você não está pinel de perder o encontro entre Quique Brown e James Dean, está?


Natal/RN - Dia 28 de novembro

INVASÃO POTIGUAR EM JOÃO PESSOA


Atenção Veques e Devochtkas,
viemos a vós avisar que a Nona de Ludwig Van Beethoven será tocada no
LEITE BAR GALPÃO 14;
Contando com a ajuda dos Druguinhos de Natal:

- DISTRO(RN)
- FEWELL(RN)
- CAMARONES ORQUESTRA GUITARRÍSTICA(RN)

e com os VEQUES Ultra Violtentos dos:

- SEM HORAS(PB) e
- CERVA GRÁTIS(PB)


Não Perca a oportunidade de beber o mais puro leite da ultraviolência e ainda contando com a invasão Potiguar dos druguinhos amigos.

Informações:
LOCAL: Galpão 14
DATA: 13/12/2008
HORÁRIO: 21:00 hrs
PREÇO: R$ 5,00

emais:
EXIBINDO LARANJA MECÂNICA.
LOJINHA DE CDS E CAMISA.
DEVOCHTKAS PARA JOGO (PREÇO DE CUSTO).
"ENTRA E SAI" LIBERADO NOS BANHEIROS.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

LEPTOSPIROSE(SP) EM NATAL - É SEXTA



Dia 28 de novembro de 2008

Natal/RN


Tudo pode acontecer numa sexta-feira à noite. Cortando a rotina da capital do cakiado, às 22:00 horas no Centro Cultural Dosol, Ribeira acontece o encontro entre desregulados de vários tamanhos e lugares diferentes. Uma festa inusitada com ritmos efervescentes que terá inicio com os anfitriões:

Os Bonnies, desde 2000 que esses sujeitos sacodem as noites natalenses com seu Chuck Berry de pedreiro, uma espécie de rockabilly misturado com artimanhas criadas por eles mesmos. Vampiros, cupidos e adolescentes briguentos se misturam na psicodelia entre as guitarras e os teclados nessa suave e feroz banda que a cada dia recria sua maneira de existir e surpreende seus apreciadores, seja através da música ou de seus videoclipes, feitos com desenhos animados pelos próprios integrantes da banda.




Mahatma Gangue, a segunda banda da escalação são esses delinqüentes vindos de “Mossoró Crater City” que em quase 1 ano de existência, lança seu primeiro cd/ep chamado Ritmo Selvagem. Imagine os Ramones voltando no tempo, se encontrando com os Ventures e marcando um encontro com os Saicos. Esses surfistas punks do sertão vêm para mostrar que a viagem “back from the grave” nunca acaba.




Leptospirose, para abrilhantar a noite, os desmiolados caipiras vindos de Bragança Paulista/SP. Eles que vêm galopando em seu novo cd, “Mula Poney” em sua 1º turnê tour pelo nordeste, poucos meses após capotarem uma van em sua turnê tour pela Europa, mostrando que não existe limite nem descanso para o rock and roll. Eles se definem como Marginal Rock, e nada é mais fiel ao som que eles fazem do que essa definição. Ora Dead Kennedys, ora The Who, ora Joy Division, oraMotorhead, ora Tim Maia, ora Ramones, mas sempre com dose exagerada de humor e letras que parecem terem sido escritas por altistas da APAE.




Uma noite para gente maluca onde ritmos e universos diferentes e iguais se cruzam. Caipiras, morcegos, feiticeiras, adolescentes apaixonados, furiosos, muito altismo, coisa sem sentido e dadaísmo levado as últimas conseqüências. Você não está pinel de perder o encontro entre Quique Brown e James Dean, está?


Natal/RN - Dia 28 de novembro

GOIÂNIA NOISE FESTIVAL - COMO FOI TERCEIRO DIA


Conteúdo: Dosol

Por Foca

GOIÂNIA NOISE ENCERRA EDIÇÃO 2009 COM 130 DECIBÉIS

130 decibéis machuca. É como se uma turbina de um avião estivesse em atividade num local fechado, que deve receber na sua lotação no máximo 4.000 pessoas. Foi assim que o Helmet castigou os ouvidos desavisados e ao mesmo tempo levou ouvidos mais roqueiros ao delírio no show de encerramento do Goiânia Noise Festival. É com todas as letras digo: o festival teve o encerramento que mereceu no mais insano e assustador P.A que já ouvi na vida!

Ainda pela tarde fui convidado pela produção para acompanhar a passagem de som dos americanos. Na volta pro hotel junto com o grupo perguntei pro Page Hamilton no meu inglês horroroso: Esse homi vai tocar Unsung né? Ele deu um sorriso e quis me maltratar respondendo que talvez!

Antes de chegar ao Helmet vamos ao que de melhor aconteceu durante o último dia do evento. De cara três baixas na nossa cobertura. Cheguei atrasado e não vi o Fígado Killer, Goldfish Memories e Heaven`s Guardian, três grupos goianos. Na sequência veio o Hillbilly Rawride mantendo a incrível tradição de bandas psycho do Paraná. O show foi bastante animado, o perfil do grupo é bem legal e foi divertido vê-los em ação, já que aqui pelo Nordeste praticamente não existem grupos com esse formato baixolão e violão envenenado. Muito bom.

Os Belgas do Motek mudaram o clima e jogaram muitos sons etéreos ao público do Noise. Com um técnico gringo dando show e um som perfeito, as guitarras e teclados do grupo tiveram muito impacto e combinou com o clima de ressaca que quase sempre assola o último dia dos festivais (ainda mais depois de um segundo dia matador no noise). Recomendo para quem gosta de Mogwai, Fóssil e afins.

Mais um bom grupo goiano veio na sequência: o Bang Bang Babies. As músicas ganchudas da banda fizeram a alegria e deram uma boa animada no público (que não deve ter passado de 1200 pessoas durante toda a noite). Talvez o grupo possa investir e dar uma trabalhada nas vozes, porque de background para empurrar boas músicas eles já são craques.

Não vi o The Ganjas do Chile. Fui tomar um folêgo e me poupar pro final da festa. O Mechanics, outro herói do rock goiano começou o show de forma acústica no Goiânia Noise. Achei até que não combinou com a mensagem “maldita” do grupo e seu líder Márcio Jr. Quando eles ligaram as guitarras esqueci tudo e aí sim vi o bom e velho Mechanics de sempre. Alto e feroz!

Também não vi o Loop B e já fiquei perto do palco para ver os Tormentos da Argentina, grupo muito legal que toca surf music instrumental poderoso. Meio repetitivo mas muito legal. Adorei ver os guitarristas chutando os pedais de reverb de mola e escutar o efeito doidão que causava. A Argentina foi muito representada nesse rock doido.

Daí para frente o pau comeu feio até dando alguns problemas no P.A, que chegaram ao seu auge no show do Claustrofobia (SP). Não fosse pela competência do técnico de som da banda, seria um fiasco. Metal sepultúrico, malvado e grunido. Bom demais o som desses paulistas. Mais uma paquera nossa pro Festival Dosol 2009. Bati cabeça de leve (bati cabeça pesado no Helmet).

Vi um pedaço do Periferia S.A e não assisti o Inocentes, tudo para esperar a PEDRADA da noite: Helmet!

Era perto de 2h da manhã as luzes se apagam, Léo Bigode entra, agradece e diz: vou falar mais porra nenhuma não, HELMETTTTTTTTTTT! Juro, parecia que tinha caído uma bomba dentro do teatro quando o quarteto começou o show num riff pesadíssimo e estacatado, bem caraterístico das composições de uma das bandas mais influentes dos anos 90.

O começo do show deu prioridade ao repertório mais recente e foi recebido com espanto pelos presentes (nessa hora não mais que 600 pessoas). Do meio pro fim veio o ataque com In The Meantime, Unsung, Wilma`s Rainbow e a música tema do filme O Corvo que foram só algumas das clássicas canções que Page Hamilton e sua turma interpretaram por mais de uma hora.

Peso e intensidade de uma banda que tem um senhor de 48 a frente da sua formação. Foi uma aula de rock, que aliás o Goiânia Noise Festival e a Monstro vem dando há muitos anos. Feliz de quem vem para sala de aula do rock e aprende como se faz. Parabéns Noise, parabéns Goiânia!

CAOS NATAL 2008



Já está tudo pronto para edição de 2008 do Caos Natal. O evento contece dias 06 e 07 de dezembro com DFC (DF) e Maldita (RJ) como headliners, além de bandas de Natal, Mossoró e Recife. Toda a programação vai rolar no Centro Cultural Dosol. Confira o line up completo:

:::: CAOSNATAL 2008 ::::

SÁBADO, DIA 06 DE DEZEMBRO, 16H
ANTISKEUMORRA
PSICOMANCIA
LEI DO CÃO (MOSSORÓ)
NAKARA (PE)
DFC (DF)

DOMINGO, 07 DE DEZEMBRO, 16H
OFFDAY
VENICE UNDER WATER
CALISTOGA
WHEN A LOTUS DRY
RAVANES
AK-47
MALDITA (RJ)

INGRESSO POR DIA - R$7,00

DEZEMBRO NOIZE


Conteúdo: Fotolog Calistoga
Ae galera, tudo pronto para o Dezembro Noize.
a festa vai acontecer no Centro Cultural Dosol, no dia 20 de dezembro e contara com as bandas Calistoga, Nuda(pe), The Automatics e Bugs. alem da presença do grande "Papai Noel" distribuindo cds das bandas locais, tudo de graça né? tambem teremos exibição de videos/animações e discotecagens animadas e exposição de artistas locais e ainda venda de comidas vegan. tudo para galera entrar em clima de festa. ja que sera um dos ultimos shows do ano em Natal queremos fazer uma grande festa para comemorar o grande ano que o rock de Natal teve.


DEZEMBRO NOIZE - 22H
20 dezembro no C.C.Dosol
Entrada $5 Reais

CALISTOGA
NUDA(pe)
thE AUTOMATICS
BUGS

+videos+discotecagem+rangovegan+exposição

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

LEPTOSPIROSE(SP) EM NATAL



Dia 28 de novembro de 2008

Natal/RN


Tudo pode acontecer numa sexta-feira à noite. Cortando a rotina da capital do cakiado, às 22:00 horas no Centro Cultural Dosol, Ribeira acontece o encontro entre desregulados de vários tamanhos e lugares diferentes. Uma festa inusitada com ritmos efervescentes que terá inicio com os anfitriões:

Os Bonnies, desde 2000 que esses sujeitos sacodem as noites natalenses com seu Chuck Berry de pedreiro, uma espécie de rockabilly misturado com artimanhas criadas por eles mesmos. Vampiros, cupidos e adolescentes briguentos se misturam na psicodelia entre as guitarras e os teclados nessa suave e feroz banda que a cada dia recria sua maneira de existir e surpreende seus apreciadores, seja através da música ou de seus videoclipes, feitos com desenhos animados pelos próprios integrantes da banda.




Mahatma Gangue, a segunda banda da escalação são esses delinqüentes vindos de “Mossoró Crater City” que em quase 1 ano de existência, lança seu primeiro cd/ep chamado Ritmo Selvagem. Imagine os Ramones voltando no tempo, se encontrando com os Ventures e marcando um encontro com os Saicos. Esses surfistas punks do sertão vêm para mostrar que a viagem “back from the grave” nunca acaba.




Leptospirose, para abrilhantar a noite, os desmiolados caipiras vindos de Bragança Paulista/SP. Eles que vêm galopando em seu novo cd, “Mula Poney” em sua 1º turnê tour pelo nordeste, poucos meses após capotarem uma van em sua turnê tour pela Europa, mostrando que não existe limite nem descanso para o rock and roll. Eles se definem como Marginal Rock, e nada é mais fiel ao som que eles fazem do que essa definição. Ora Dead Kennedys, ora The Who, ora Joy Division, oraMotorhead, ora Tim Maia, ora Ramones, mas sempre com dose exagerada de humor e letras que parecem terem sido escritas por altistas da APAE.




Uma noite para gente maluca onde ritmos e universos diferentes e iguais se cruzam. Caipiras, morcegos, feiticeiras, adolescentes apaixonados, furiosos, muito altismo, coisa sem sentido e dadaísmo levado as últimas conseqüências. Você não está pinel de perder o encontro entre Quique Brown e James Dean, está?


Natal/RN - Dia 28 de novembro

BUDDA PUB REABRE AS PORTAS


Um dos bares mais tradicionais da cidade, que estava fechado reabriu nesse sábado e promete ter o seu brilho de volta nos próximos tempos. Nova estrutura (menos quente), está oferecendo mais uma opção pra quem não quiser ficar em casa na noite natalense.
Fiquem ligados que vai rolar a programação e coloco por aqui!!!

OS BONNIES EM COLETÂNEA



Conteúdo: Site D´Os Bonnies

"Participamos esse ano de uma coletânea tributo ao Emílio & Mauro com várias bandas de várias regiões do país. E&M é uma banda de rock jovem guardista lo-fi curitibano-gaúcho-chapecoense. Esse trabalho tem por intenção divulgar mais a banda, que durou pouco tempo e, ainda assim, conseguiu marcar bastante o rock lá do sul desde o início dos 90’s, juntamente com Graforréia Xilarmônica e Repolho (bandas também presentes no disco com suas versões do E&M). O disco De Emílio & Mauro Para Um Destruidor de Corações, (produzido por Eric Thomas e Fernando Rosa) vem com um livro bem massa com impressões de pessoas relacionadas ao projeto, assim como textos sobre as bandas envolvidas e os “porquês” delas estarem ali.

Outros envolvidos na distribuição desse tributo são Senhor F Discos, Fuinha Feliz, Alvo e a Tratore.

A gente participou do disco com a faixa “Bom Dia, Meu Amor”, gravada por Dante Augusto e mixada por Nery Bauer.

O disco está bem legal e é puxado pela banda Osmarmotta (RS), tocando o “lado A” na íntegra. Eles andaram lançando o disco lá por Porto Alegre e estão responsáveis pela venda do material. Se quiser um disco, escreve para contatofuinhafeliz@hotmail.com pedindo o seu."

Dentre outras bandas mais que participam, estão: Mordida (PR), Graforréia Xilarmônica (RS), Stereo Tipos (SC), Belzebrujos (PA), Sapatos Bicolores (DF), The Feitos (RJ).

Quem ficar curioso sobre o Emílio & Mauro, pode ler mais sobre eles e baixar o disco deles nos links que seguem aqui:

Matéria sobre Emílio & Mauro (Senhor F)
Baixe o disco original dos caras aqui (Senhor F)

GUSTAVO (FORGOTTEN BOYS) FALA SOBRE NOVO DISCO DA BANDA


Conteúdo: Trama Virtual
Foto: Ana Mazzei
O Forgotten Boys, talvez um dos mais ilustres representantes do "rock realmente roqueiro" da cena brasileira, lançou, não faz tempo, um novo disco. Sem jamais deixar de exaltar os cânones (não só os do rock, mas também os do folk de aço e os do blues americanos), a banda continua a perseguir e habitar, com Louva-a-deus, um ideário de sonoridade e inconseqüência (o sentido aqui não é pejorativo) inventado mais ou menos em 1955, com James Dean.

Esse ideário, a juventude, virou música (o rock, de fato), já sofreu mutações, virou lei, virou do avesso, deixou vários frutos culturais. Será que ela está embolorado, envelhecido? Em todo caso, a banda procura encontrar o máximo apuro dentro desses "limites" do estilo e considera ter realizado seu melhor, mais independente e mais experimental álbum. Sobre esses assuntos, Gustavo Riviera falou à TramaVirtual.

O que vocês queriam exatamente quando gravaram Louva-a-deus?
Exatamente, fazer o nosso melhor disco e poder experimentar coisas novas. Procuramos fazer as músicas com calma, composições diferentes do que já havíamos feito. Tínhamos um repertório de umas 25 músicas e com o (famoso produtor) Apollo Nove fomos eliminando e ficando com as que ele achou mais interessantes. E ter a experiência de gravar com o Roy Cicala, que deixou o disco com uma sonoridade bem nova pra banda.

Esse disco, o que ele tem de diferente e melhor do que os anteriores?
Ele tem bastante coisa diferente em todo o processo, desde ser o primeiro que lançamos sem gravadora, sem selo, até o processo de composição mais livre, com menos preconceito. Ficamos ensaiando e compondo em uma fazenda, isso trouxe uma união maior na banda e as execuções das músicas são bem naturais e melhores. A gravação é a mais experimental.
Tem músicas em português bem melhores do que no anterior. É o nosso melhor disco.

Ouvindo agora o resultado, houve algo inalcançado, alguma frustração?
Não há porque eu ficar pensando nisso agora.

O rock é sujo e visceral? Continua sendo até qual idade (do público e dos músicos)?
Acho que isso são características de uma banda ou outra, não necessariamente isso define o rock, mas se é disso que está falando, não sei a idade não, nos nossos shows há gente de 60 anos e de 15 anos.

Enche o saco essa idéia de banda "roqueira" ao extremo, essa coisa cheia de mulheres, farras e sensibilizantes? Ou vocês ainda curtem muito isso e a idéia/ imagem que isso sugere?
Sim, chega a encher o saco. Todos estamos sujeitos a ser rotulados, o cara da bossa nova tem que gostar de Copacabana, o do reggae tem ser maconheiro, o advogado tem que ser filho da puta e o gato, desapegado.

Vocês têm se encaminhado para caminhos diferentes nas “carreiras solo” de cada um, um exemplo é essa interação com Mallu Magalhães, Vanguart no projeto Hélio and Zé. Mas parte tudo da mesma esfera de origem, que é Dylan, Lou Reed. O que vocês acham disso, e desses encontros?
Às vezes é bom interagir, amar o ser humano, isso só tem como ser bom. Já fizemos interações com várias espécies como Hurtmold, Nasi, Cida Moreira, etc... Algo nos uniu e não foi a mesma esfera de origem.

Quando vocês pensam na música de vocês hoje, o que definitivamente preocupa vocês?
Se ela nos satisfaz.

Elenque suas três faixas preferidas do álbum e contem um pouco sobre cada uma delas.
“Don't be afraid”, foi composta como blues, gravada com reggae e é um rock. “Leaving”, foi composta como soul, gravada como heavy metal e é um rock. “Got my eyes” foi composta como soul, gravada como garage e é um rock “Quinta-feira”, foi composta como proto-punk, gravada como pós-punk e é um rock.

Mais sobre o disco aqui: forgottenboys.uol.com.br/

domingo, 23 de novembro de 2008

UZOMI(RJ) TOCA HOJE EM NATAL



No próximo domingo Natal receberá os cariocas do UZOMI(RJ) e para a festa não perder o peso, teremos as grandes bandas locais Outset e Ravanes, mais a participação dos paraibanos do Letal e os piauienses d´A Falange. Sacae o Myspace dos caras pra já ir tocando o terror!!

MYSPACE UZOMI


MYSPACE OUTSET

MYSPACE LETAL


MYSPACE RAVANES

MYSPACE A FALANGE

DOMINGO, DIA 23 DENOVEMBRO
CENTRO CULTURAL DOSOL, 17H
UZOMI (RJ)
OUTSET (RN)
A FALANGE(PI)
LETAL (PB)
RAVANES (RN)
R$5,00

FESTA COUNTRY BILLY - COMO FOI

Muito country e rockabilly marcaram a noite iniciada pelos caras do Kentucky, o som?? Country rock bem tocado com dois vocais, violão, guitarra, baixo e bateria, sem sombras de dúvidas uma das bandas mais promissoras para 2009, músicas próprias e clássicos consagrados como: Simon and Ganfunkel, Creedence, Beattles, Everly Brothers e afins, showzão que empolgou e muito a galera presente. O som do Castelo estava muito bom e a galera estava descontrolada.

Na sequência, veio os Los Costeletas Flamejantes que fez o melhor show que vi deles, muito encaixado, rockabilly até dar uma dor, se a galera já tava alterada no Kentucky, não preciso dizer mais nada do que foi o show dos Costeletas, Stray Cats, Elvis e muita gente dançando e fazendo a primeira Festa Country Billy ser um sucesso, cerca de 250 pessoas compareceram e foi altamente divertido, sacae um vídeo dos costeletas ao vivo.


LOS COSTELETAS FLAMEJANTES

LEPTOSPIROSE(SP) EM NATAL



Dia 28 de novembro de 2008

Natal/RN


Tudo pode acontecer numa sexta-feira à noite. Cortando a rotina da capital do cakiado, às 22:00 horas no Centro Cultural Dosol, Ribeira acontece o encontro entre desregulados de vários tamanhos e lugares diferentes. Uma festa inusitada com ritmos efervescentes que terá inicio com os anfitriões:

Os Bonnies, desde 2000 que esses sujeitos sacodem as noites natalenses com seu Chuck Berry de pedreiro, uma espécie de rockabilly misturado com artimanhas criadas por eles mesmos. Vampiros, cupidos e adolescentes briguentos se misturam na psicodelia entre as guitarras e os teclados nessa suave e feroz banda que a cada dia recria sua maneira de existir e surpreende seus apreciadores, seja através da música ou de seus videoclipes, feitos com desenhos animados pelos próprios integrantes da banda.




Mahatma Gangue, a segunda banda da escalação são esses delinqüentes vindos de “Mossoró Crater City” que em quase 1 ano de existência, lança seu primeiro cd/ep chamado Ritmo Selvagem. Imagine os Ramones voltando no tempo, se encontrando com os Ventures e marcando um encontro com os Saicos. Esses surfistas punks do sertão vêm para mostrar que a viagem “back from the grave” nunca acaba.




Leptospirose, para abrilhantar a noite, os desmiolados caipiras vindos de Bragança Paulista/SP. Eles que vêm galopando em seu novo cd, “Mula Poney” em sua 1º turnê tour pelo nordeste, poucos meses após capotarem uma van em sua turnê tour pela Europa, mostrando que não existe limite nem descanso para o rock and roll. Eles se definem como Marginal Rock, e nada é mais fiel ao som que eles fazem do que essa definição. Ora Dead Kennedys, ora The Who, ora Joy Division, oraMotorhead, ora Tim Maia, ora Ramones, mas sempre com dose exagerada de humor e letras que parecem terem sido escritas por altistas da APAE.




Uma noite para gente maluca onde ritmos e universos diferentes e iguais se cruzam. Caipiras, morcegos, feiticeiras, adolescentes apaixonados, furiosos, muito altismo, coisa sem sentido e dadaísmo levado as últimas conseqüências. Você não está pinel de perder o encontro entre Quique Brown e James Dean, está?


Natal/RN - Dia 28 de novembro

GOIÂNIA NOISE FESTIVAL(GO) - PRIMEIRO E SEGUNDO DIA - DOSOL


Conteúdo: Dosol

Por Foca
PRIMEIRO DIA - BARBA, CAMELO E BIGODE!

Contextualizando: num lineup de um festival como o Goiânia Noise Festival vai ser difícil encontrar um show equivocado, assim como também vai ser difcíl apontar um ou dois destaques em cada noite. Aproveitei a piada quase pronta que denomina o título da cobertura deste primeiro dia do Noise para resumir o que de melhor aconteceu por aqui: Canastra (com o hermano Barba na bateria), Marcelo Camelo com seu show solo e a própria Monstro Discos (representada aqui pelo grande Léo Bigode) que ousou e mais uma vez termina o ano dos festivais apontando pro futuro.

Com um pequeno atraso a programação do Noise começou com o jovem grupo local Gloom, banda capitaneada por uma menina simpática que tem boas canções na manga e muito futuro pela frente. De ressalva fica só o ajuste no tom de algumas canções (principalmente em português) que estavam numa região não muito confortavel para a jovem vocalista. Bom começo.
O Demosonic, tambem de Goiânia, faz uma espécie de garage barulhento flertando com um indie a la Sonic Youth. Interessante e mercecedor de uma audição mais apurada numa próxima oportunidade (com 15 bandas tocando e dezenas de pessoas para conversar, também fica difícil acompanhar a fundo todos os shows). Não vi boa parte do show do Diego de Moraes, mas o pouco que consegui assistir me tirou a má impressão que tive do grupo no Festival Calango. Uma coisa que me chamou muito a atenção foi a excelente sonorização do palco interno do Noise, uma gargalo superado pela produção deste ano com relação ao ano passado.

Uma das bandas que estava curioso para assistir era o Holger, grupo da novísima geração paulista que vem se destacando pelas bandas do Sudeste e participa pela primeira vez de uma grande festival indie (salvo algum engano). Não me decepcionei. A banda propõe um rock feliz e contagiante que termina pegando os ouvintes ou pelas simpáticas linhas melódicas - quase sempre cantadas por vários integrantes - ou pela boa interação do grupo com a platéia. Das bandas novas foi a que mais gostei.

O Mickey Junkies (SP) é um velho conhecido de que acompanha a cena indie nacional a mais tempo. Não imaginei que veria o grupo ao vivo algum dia e me dei por feliz com esse presente nostálgico da Monstro nesta edição do Noise. Não vi os Backbiters de Goiânia tentando resgatar fixas na enorme fila que se formou nos bares do festival.

Na sequência veio uma das melhores apresentações do dia com os americanos no Calumet-Hecla. O som da banda é uma espécie de anti-rock minimal (que alguns chamam de post rock) com frases soltas e umas barulheiras de guitarras em cima de levadas quebradas de bateria. Muito bom pela intensidade e pelo perfil diferente que a banda escolheu seguir (não tão diferente assim lá fora).

Apesar de ser um ótimo grupo o Continental Combo não me emocionou e não consegui dar mais atenção aos paulistas. O melhor show de toda a noite veio a seguir com os cariocas do Canastra. O grupo tem larga experiência e alguns discos lançados, seu som e show contagiam pelas referências 50´s, style rock-a- billy tudo azeitado com um apelo pop bacaníssimo. Show de primeira que levantou a arena e me fez dançar para valer. A platéia também adorou e pediu bis! Já chamei pro Festival Dosol 2009 e eles aceitaram o convite!


Não consegui ver o Motherfish (GO) porque fui falar com os Canastras (coisas da correria de um festival) e já fiquei para continuar a diversão neste Noise com o show do gaúcho Frank Jorge - o Roberto Carlos do indie rock nacional. A platéia menos aprofundada deve ter pensado: quem é esse bicho cantando músicas do Pato Fu e afins? Foi um hit atrás do outro sem dó. Empregada, Amigo Punk, Eu, Nunca Diga. Só clássicos! No final o menestrel roqueiro gaúcho ainda mandou um som com a seguinte frase: Elvis da fase decadente é melhor que muita gente! Precisar dizer mais alguma coisa?


Outra banda que me surpreendeu positivamente foi o Lucy and The Popsonics. Aquele grupo que passou por Natal ano passado bastante simpático mas com uma apresentação atabalhoada ficou para trás. Agora o que se vê é o dueto coeso e com um show expressivo. A estrada e as viagens internacionais fizeram muito bem aos candangos. A extensa programação no Goiânia Noise reservou um final de arrepiar para esse primeiro dia, começando com a linda apresentação dos escoceses do Vaselines aditivados com a turma do Belle & Sebastian. Para não iniciados na banda como eu ficou a emoção de ouvir “Son of a gun”, “Jesus wants me for a sunbeam” e “Molly’s lips” eternizadas na voz de Kurt Cobain, lembra dele?


O palco externo foi encerrado com o rock doido (enfumaçado?) do Black Lips que fiz questão de ver da grade ao lado do poploaded Lúcio Ribeiro. Achei bom pela atitude roqueira e normal no âmbito geral. Divertido! Para encerrar a primeira noite que reuniu cerca de 3.000 pessoas subiu ao palco o Marcelo Camelo com seu show solo acompanhado pelos paulistas do Hurtmold. O show é chique, bem conduzido e bonito de se ver. O Camelo já se tornou uma referência e vê-lo novamente em ação é legal para quem foi fã dos Los Hermanos assim como eu. Fechou o primeiro dia do noise com muita propriedade.


SEGUNDO DIA - IMPROPÉRIOS E GUITARRAS A SERVIÇO DO ROCK

O segundo dia do Goiânia Noise Festival foi marcado pela irreverência de alguns grupos e por uma série histórica de excelentes shows, que enchem de orgulho aqueles que acompanham o rock indie nacional. Só para ilustrar ai vão algumas frases de efeito ditas na noite:
- Minha mãe da o c*, o mundo é travesti!
- Vocês é que são felizes, podem chupar meu pau e eu não posso…
- Se deus é 10, satanás é 666.
- Gangrena Gasosa, a farinha que povo de goiânia gosta é outra…

Sutileza a serviço do rock! Com cerca de 2.000 pessoas durante toda a noite o festival começou novamente com um pequeno atraso com os goianos do Cicuta em ação, O grupo tem influências de rock simples e direto bem na praia de bandas como Motorhead. Dois dos integranates eram do lendario Hang The Superstars, instituição roquística goiana.

O Mersault e Máquina de Escrever instalou mais um vez aquele clima chique que já tinha aparecido na noite anterior no show do Marcelo Camelo. A banda, também goiana, toca sentada e praticamente sem drivesnas guitarras mandam músicas densas e bem feitas com otimas letras. Excelente show. Escolhi algumas apresentações que já tinha visto esse ano para conversar e descansar, como já tinha visto o Mugo passei batido no show do Noise.

Na sequência veio o que deva ser um dos shows TOP5 do festival com os pernambucanos do AMP. Estrada, boas músicas, competência, ótimos timbres e ótimos músicos. Todas estas características fazem do AMP a grande revelação do rock nacional em 2009 e eles provaram que merecem o título com louvor. Pedrada do começo ao fim que me fez bater cabeça na grade, gritar e cantar durante meia hora. Se o “Semáforo” do Vanguart foi por um tempo uma das músicas mais representativas dessa nova safra de bandas nacionais, passo agora o bastão pro AMP com a excelente e já clássica canção “Acidez“.


O combo paulista Guizado é um grupo instrumental para ouvir e dançar. No Noise, funcinou como chill out para o que viria no resto da noite. Qualidade técnica e bons grooves combinando com o clima do espaço interno de shows. Seguindo a sequencia matadora do palco externo vieram os caras do Black Drawing Chalks, apontados como o próximo grande grupo do rock goiano independente. Não tinha visto eles no Dosol Festival e queria assitir tudo. Não me arrependi. Lembrei bastante da primeira fase do Soudgarden escutando o grupo. Outro excelente show.


Momento engraçado: presenciar as bandas Gangrena Gasosa do Rio e Ambervisions de Santa Catarina se preparando para os shows no mesmo camarim. Foi hilário. Ganhei até dinheiro chinês para falar bem das bandas. Dinheiro de verdade! Os Ambervisions vieram primeiro, todos com ataduras de múmia na cara. Zoação total. Sobrou para todo mundo que estava na platéia com perguntas capiciosas do tipo: você já comeu cocô de alguém? Marcelo Camelo também foi alvo, tudo na base da tiração de onda. Do meio pro fim sobe no palco a lenda carioca Leonardo Panço com um troféu, dizendo que a banda havia sido eleita a melhor do festival. Claro que tudo parte do freak show promovido pelos catarinenses. Eles devem ter se divertido mais que a platéia. É justo!

O Gangrena Gasosa (RJ) continuou a sessão “barbaridades” com um excelente show de hardocre doidão. O Exú Core do grupo com quase 20 anos de vida ainda tem bastante força e agradou em cheio os “camisetas pretas” do Noise, No final ainda rolou cantimbó em cima do público numa mistura de pipoca, farinha, fubá e sabe-se mais lá o que. Bacanudo também.

Os coisas voltaram ao normal com a chegada do Dead Rocks ao palco. O trio de São Carlos (SP) é um dos mais importares da surf music nacional. Minha curiosidade era grande porque nunca tinha assistido o show e não me decepcionei. As coisas poderiam ter continuado normais com o show do MQN, hérois do rock goiano. A princípio até parecia que mais um ótimo show estava por vir. Mas o clima foi esquentando, o show foi se agigantando e na última música mais de 100 pessoas invadiram o palco (inclusive alguns gringos convidados do festival) para celebrar o rock. Foi arrepiante! Eu também participei da esbórnia.

Não consegui ver a Cabruêra (PB) e já passo direto para o show fodão dos ingleses do Black Melkon. Detalhe: neste segundo dia o palquinho externo pegou mais fogo do que o main stage do festival. O trio inglês mandou uns grooves roqueiros muito bons completando o som com um visual “zorro”. Lá para terceira música sobe ao palco outra lenda: o paulista Marco Butcher, completando o incrível clima de festa que se abateu sobre o Goiânia Noise neste segundo dia.

O melhor show deste segundo dia do Noise veio em seguida e caiu com uma luva na programação “acelerada” que o festival proporcionou. Os canadenses Black Mountain derramaram melodias, timbres lindos, músicas maravilhosas (que eu não conhecia) e encantaram o público fazendo o simples: música excelente! Não lembro de ter visto (ouvido) um timbre de guitarra tão lindo na minha vida. Felicidade total.

Os finlandeses do Flaming Sideburns encerraram a programação do palco externo envenenado com o que? Mais veneno roqueiro! Dessa vez numa praia mais nórdica que tem como representante maior os Hellacopters. Dos gringos, era a única banda que tinha ouvido antes e foi outro showzão. Eu ja cansado curti parado, recebendo os riffs e músicas com alegria. Náo vi o Instituto, quis voltar para casa com o rock que tinha presenciado ainda fresco na memória, postergando a alegria roquística que um festival como o Goiânia Noise proporciona.

Fui dormir feliz já esperando o grande dia: hoje tem Helmet!

sábado, 22 de novembro de 2008

LEI CHEIÍSSIMA NO GALPÃO 29


E hoje rola no galpão a Lei Cheiíssima segunda edição. Contará com os shows das bandas The Cashs e Emblemas Band, participam fazendo a discotecagem do Michel Heberton e o especial Amy Whimehouse interpretada pela banda Mono. Será "tudo na vida" pra quem curte rock moderno, tipo Artic Monkeys, Paramore, The Killers e afins, vale a pena ir lá taí o serviço:

Serviço:
Lei Cheiíssima edição 2
The Cashs
Emblemas Band
Mono (esp. Amy Whimehouse)
Discotecagem Michel Heberton
Galpão 29, Ribeira, 18h
5 reais

UZOMI(RJ) TOCA AMANHÃ EM NATAL



No próximo domingo Natal receberá os cariocas do UZOMI(RJ) e para a festa não perder o peso, teremos as grandes bandas locais Outset e Ravanes, mais a participação dos paraibanos do Letal e os piauienses d´A Falange. Sacae o Myspace dos caras pra já ir tocando o terror!!

MYSPACE UZOMI


MYSPACE OUTSET

MYSPACE LETAL


MYSPACE RAVANES

MYSPACE A FALANGE

DOMINGO, DIA 23 DENOVEMBRO
CENTRO CULTURAL DOSOL, 17H
UZOMI (RJ)
OUTSET (RN)
A FALANGE(PI)
LETAL (PB)
RAVANES (RN)
R$5,00

LEPTOSPIROSE(SP) EM NATAL



Dia 28 de novembro de 2008

Natal/RN


Tudo pode acontecer numa sexta-feira à noite. Cortando a rotina da capital do cakiado, às 22:00 horas no Centro Cultural Dosol, Ribeira acontece o encontro entre desregulados de vários tamanhos e lugares diferentes. Uma festa inusitada com ritmos efervescentes que terá inicio com os anfitriões:

Os Bonnies, desde 2000 que esses sujeitos sacodem as noites natalenses com seu Chuck Berry de pedreiro, uma espécie de rockabilly misturado com artimanhas criadas por eles mesmos. Vampiros, cupidos e adolescentes briguentos se misturam na psicodelia entre as guitarras e os teclados nessa suave e feroz banda que a cada dia recria sua maneira de existir e surpreende seus apreciadores, seja através da música ou de seus videoclipes, feitos com desenhos animados pelos próprios integrantes da banda.




Mahatma Gangue, a segunda banda da escalação são esses delinqüentes vindos de “Mossoró Crater City” que em quase 1 ano de existência, lança seu primeiro cd/ep chamado Ritmo Selvagem. Imagine os Ramones voltando no tempo, se encontrando com os Ventures e marcando um encontro com os Saicos. Esses surfistas punks do sertão vêm para mostrar que a viagem “back from the grave” nunca acaba.




Leptospirose, para abrilhantar a noite, os desmiolados caipiras vindos de Bragança Paulista/SP. Eles que vêm galopando em seu novo cd, “Mula Poney” em sua 1º turnê tour pelo nordeste, poucos meses após capotarem uma van em sua turnê tour pela Europa, mostrando que não existe limite nem descanso para o rock and roll. Eles se definem como Marginal Rock, e nada é mais fiel ao som que eles fazem do que essa definição. Ora Dead Kennedys, ora The Who, ora Joy Division, oraMotorhead, ora Tim Maia, ora Ramones, mas sempre com dose exagerada de humor e letras que parecem terem sido escritas por altistas da APAE.




Uma noite para gente maluca onde ritmos e universos diferentes e iguais se cruzam. Caipiras, morcegos, feiticeiras, adolescentes apaixonados, furiosos, muito altismo, coisa sem sentido e dadaísmo levado as últimas conseqüências. Você não está pinel de perder o encontro entre Quique Brown e James Dean, está?


Natal/RN - Dia 28 de novembro

ORQUESTRA BOCA SECA E KASSAVA


E o Castelo Pub não para e faz hoje a festa pra comemorar o aniversário de dez anos do Kassava e terá taambém o show da Orquestra Boca Seca. Segue o serviço:

Castelo Pub
Sábado, 22 de Novembro
22h
Kassava + Orquestra Boca Seca
Entrada:
r$ 5,00 até meia noite
r$ 10,00 após meia noite

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

FESTA COUNTRY BILLY - É HOJE

E amanhã(feriado), é dia de muito country e rockabilly no Castelo Pub. Quem dá o tom da festa são as bandas Kentucky e Los Costeletas Flamejantes prometendo uma ótima noite.

Segue o serviço:

Sexta, 21 de Novembro
Castelo Pub, Rota do Sol, Ponta Negra
22h
Entrada:
5,00 até meia noite
7,00 após meia noite

LOS COSTELETAS FLAMEJANTES

ORQUESTRA BOCA SECA E KASSAVA NO CASTELO PUB


E o Castelo Pub não para e faz amanhã a festa pra comemorar o aniversário de dez anos do Kassava e terá taambém o show da Orquestra Boca Seca. Segue o serviço:

Castelo Pub
Sábado, 22 de Novembro
22h
Kassava + Orquestra Boca Seca
Entrada:
r$ 5,00 até meia noite
r$ 10,00 após meia noite

KAWA NUI GRAVANDO


Os praianos do Kawa Nui, banda de ska/reggae/punk aqui de Natal entrou em estúdio pra gravar seu primeiro disco que conterá músicas novas do grupo e algumas já conhecidas da galera, eles já tocam na noite de Natal há um tempo, porém nunca tinham lançado nada oficial. O selo potiguar Xubba Musik se encarrega pelo lançamento, mostrando uma continuidade nas produções do seu cast. Para ir conhecendo os caras sacae:

MYSPACE KAWA NUI




CAOS NATAL 2008 - CONHEÇA DFC(DF)


A definição do DFC que está no Trama Virtual já diz tudo: Banda de hardcore assassino e gritado com riffs infernais vomitando ódio e protesto na cara dos politicos, religiosos e demais idiotas de plantão. Seis discos lançados e dezenas de coletâneas e splits pelo mundo a fora. Não é recomendado para crianças.


Os candangos são uns dos grupos mais aguardados deste CaosNatal e desde 2000 não tocam em Natal. Para escutar, ver vídeos e sentir a desgraceira que serÁ esse show visite agora:


http://www.myspace.com/dfc


PROGRAMAÇÃO COMPLETA CAOSNATAL 2008


CENTRO CULTURAL DOSOL
CAOSNATAL 2008


SÁBADO, DIA 06 DE DEZEMBRO, 16H


ANTISKEUMORRA


PSICOMANCIA


VERDADE SUPREMA


LEI DO CÃO (MOSSORÓ)


NAKARA (PE)


DFC (DF)


CAOSNATAL 2008


DOMINGO, 07 DE DEZEMBRO, 16H


OFFDAY


VENICE UNDER WATER


CALISTOGA


WHEN A LOTUS DRY


RAVANES


AK-47


MALDITA (RJ)


INGRESSOs INDIVIDUAIS: r$7,00 O DIA!

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

LEPTOSPIROSE(SP) EM NATAL



Dia 28 de novembro de 2008

Natal/RN


Tudo pode acontecer numa sexta-feira à noite. Cortando a rotina da capital do cakiado, às 22:00 horas no Centro Cultural Dosol, Ribeira acontece o encontro entre desregulados de vários tamanhos e lugares diferentes. Uma festa inusitada com ritmos efervescentes que terá inicio com os anfitriões:

Os Bonnies, desde 2000 que esses sujeitos sacodem as noites natalenses com seu Chuck Berry de pedreiro, uma espécie de rockabilly misturado com artimanhas criadas por eles mesmos. Vampiros, cupidos e adolescentes briguentos se misturam na psicodelia entre as guitarras e os teclados nessa suave e feroz banda que a cada dia recria sua maneira de existir e surpreende seus apreciadores, seja através da música ou de seus videoclipes, feitos com desenhos animados pelos próprios integrantes da banda.




Mahatma Gangue, a segunda banda da escalação são esses delinqüentes vindos de “Mossoró Crater City” que em quase 1 ano de existência, lança seu primeiro cd/ep chamado Ritmo Selvagem. Imagine os Ramones voltando no tempo, se encontrando com os Ventures e marcando um encontro com os Saicos. Esses surfistas punks do sertão vêm para mostrar que a viagem “back from the grave” nunca acaba.




Leptospirose, para abrilhantar a noite, os desmiolados caipiras vindos de Bragança Paulista/SP. Eles que vêm galopando em seu novo cd, “Mula Poney” em sua 1º turnê tour pelo nordeste, poucos meses após capotarem uma van em sua turnê tour pela Europa, mostrando que não existe limite nem descanso para o rock and roll. Eles se definem como Marginal Rock, e nada é mais fiel ao som que eles fazem do que essa definição. Ora Dead Kennedys, ora The Who, ora Joy Division, oraMotorhead, ora Tim Maia, ora Ramones, mas sempre com dose exagerada de humor e letras que parecem terem sido escritas por altistas da APAE.




Uma noite para gente maluca onde ritmos e universos diferentes e iguais se cruzam. Caipiras, morcegos, feiticeiras, adolescentes apaixonados, furiosos, muito altismo, coisa sem sentido e dadaísmo levado as últimas conseqüências. Você não está pinel de perder o encontro entre Quique Brown e James Dean, está?


Natal/RN - Dia 28 de novembro

FESTA COUNTRY BILLY - É AMANHÃ

E amanhã(feriado), é dia de muito country e rockabilly no Castelo Pub. Quem dá o tom da festa são as bandas Kentucky e Los Costeletas Flamejantes prometendo uma ótima noite.

Segue o serviço:

Sexta, 21 de Novembro
Castelo Pub, Rota do Sol, Ponta Negra
22h
Entrada:
5,00 até meia noite
7,00 após meia noite

UZOMI(RJ) TOCA DOMINGO EM NATAL



No próximo domingo Natal receberá os cariocas do UZOMI(RJ) e para a festa não perder o peso, teremos as grandes bandas locais Outset e Ravanes, mais a participação dos paraibanos do Letal e os piauienses d´A Falange. Sacae o Myspace dos caras pra já ir tocando o terror!!

MYSPACE UZOMI


MYSPACE OUTSET

MYSPACE LETAL


MYSPACE RAVANES

MYSPACE A FALANGE

DOMINGO, DIA 23 DENOVEMBRO
CENTRO CULTURAL DOSOL, 17H
UZOMI (RJ)
OUTSET (RN)
A FALANGE(PI)
LETAL (PB)
RAVANES (RN)
R$5,00

FESTIVAL DEMOSUL - PROGRAMA RADIOLA/TRAMA VIRTUAL



Conteúdo: Trama Virtual

O programa dessa semana abre com o músico Sergio Dias, dos Mutantes, que dá uma aula sobre um dos instrumentos precursores do violão, o Oud Egípcio (lê-se “Ud”). No quadro “Fala” a entrevista com a consultora de moda Emanuela Carvalho: aqui ela conta um pouco sobre seu trabalho e explica a relação dos artistas com o mundo da moda.

Em “Ao Vivo” tem o Cidadão Instigado, projeto liderado pelo cearense Fernando Catatau (guitarra e voz, também compositor e arranjador). Aqui, o grupo apresenta “Calma” (Fernando Catatau). Tem ainda o eletro-punk da dupla braziliense Lucy and the Popsonics, que mostra “Garota Rock Inglês” (Lucy and The Popsonics).

O bloco Trama Virtual traz a cobertura da oitava edição do Demosul, festival que acontece em Londrina (PR). Participaram bandas de todo o Brasil como The Name (SP), Nação Zumbi (PE), Pata de Elefante (RS), entre outras; teve também as estrangeiras Mudhoney (EUA) e Palanguato (Arg). Grupos da cena local incendiaram essa edição como Droogies (PR), Trilobit (PR) e Flattermaus (PR). Ainda nesse bloco, a cobertura do Tim Festival que trouxe atrações internacionais como Kenny West (EUA), Klaxons (Ing), a lenda do saxofone Sonny Rollins (que fez uma apresentação gratuita no Parque do Ibirapuera), entre outros, incluindo artistas brasileiros como Marcelo Camelo, Roberta Sá e Arnaldo Antunes.

A banda paulistana Firebug apresenta sua música repleta de referências jamaicanas mostrando “Gimme Your Love” (F. Machado/ R. Cerqueira/ V. Rice) no quadro “Ao Vivo no Estúdio da Trama”. A redação da Trama Virtual ainda dá dicas de shows da semana e lançamentos de discos.

O Radiola encerra essa edição com o “Arquivo” que traz Ney Matogrosso no programa Ensaio, dirigido por Fernando Faro, exibido pela TV Cultura em 1990.

::Serviço
Radiola – TV Cultura
Segunda-feira, 17 de novembro, às 19h30
Reapresentação: 23 de novembro, às 2h (na madrugada de sábado para domingo)

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

FESTA COUNTRY BILLY

Na próxima sexta feira(feriado), é dia de muito country e rockabilly no Castelo Pub. Quem dá o tom da festa são as bandas Kentucky e Los Costeletas Flamejantes prometendo uma ótima noite.

Segue o serviço:

Sexta, 21 de Novembro
Castelo Pub, Rota do Sol, Ponta Negra
22h
Entrada:
5,00 até meia noite
7,00 após meia noite

GOIÂNIA NOISE FESTIVAL



Conteúdo: Monstro Discos

14º Goiânia Noise Festival
A maior festa do rock brasileiro!
!

Planeta: Terra. Cidade: Goiânia.
A invasão vai começar!
Vindos dos mais distantes pontos do planeta eles se preparam para ataques sonoros capazes de provocar histeria em massa. Estados Unidos, Canadá, Finlândia, Bélgica, Inglaterra, Escócia, Chile, Argentina... e ainda brasileiros de cidades remotas como João Pessoa, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Florianópolis, São Paulo, Brasília...
Entre os dias 21 e 23 de novembro, a capital goiana recebe artistas de lugares tão diferentes e distantes para mais um Goiânia Noise Festival. A 14ª edição da maior festa do rock brasileiro será novamente no Centro Cultural Oscar Niemeyer e reunirá 44 bandas para três noites de rock sem parar! São nomes como Helmet (EUA), Marcelo Camelo (RJ), Vaselines (Escócia), Inocentes (SP), Black Mountain (Canadá), Periferia S/A (SP), Claustrofobia (SP), Flaming Sideburns (Finlândia), Frank Jorge (RS), Ganjas (Chile), Cabruêra (PB), Black Lips (EUA), Instituto (SP) e muito mais! Um amplo panorama do que há de melhor no rock mundial na atualidade. Com patrocínio da Novo Mundo (via Lei Goyazes) e apoio da Agepel, Prefeitura de Goiânia, Lei Municipal de Incentivo à Cultura, Citröen, Uol, Trama, Sol, Sebrae e Ambiente Skate Shop, o Goiânia Noise Festival de 2008 será a maior e mais internacional de todas as edições já realizadas. Um verdadeiro marco para cidade com participação de bandas dos mais variados estilos, sotaques, linguagens, bizarrices e loucuras.
Junte-se a eles você também!


SÃO PAULO NOISE(SP)



Foto Black Drawing Chalks(GO) por Udirock
Conteúdo:Sp Noise
Depois de 13 edições, a maior festa do rock independente nacional não é mais exclusividade de Goiânia. O Noise Festival promove, nos dias 21 e 22 de novembro, sua primeira edição paulista no Eazy, Barra Funda. Os ingressos, entre antecipados e para compra no dia, variam de 55 a 80 reais e já se encontram a venda na Sensorial Discos.

A escalação do SP Noise Festival reflete a programação do irmão mais velho goiano e tem como destaque a reunião da lendária banda escocesa Vaselines que se apresenta no Brasil com os interantes originais e Stevie Jackson e Bobby Kildea do Belle & Sebastian e Michael McGarin 1990's/Yummy Fur. Presentes em todos os lineups de grandes festivais internacionais e nas principais listas de discos do ano, os americanos do Black Lips e os canadenses do Black Mountain reforçam o caráter roqueiro e internacional que é a cara do Noise.

Atento as boas novidades da cena nacional, a edição paulista apresenta a aclamada banda carioca Do Amor e as revelações Black Drawing Chalks (GO) e Homiepie (SP). Fechando a escalação nacional, os lendários catarinenses do Ambervisions. O festival conta ainda com Motek (Bélgica),Flaming Sideburns (Finlândia), Tormentos (Argentina), The Ganjas (Chile) e Calume-Hcla(USA).

Para receber o festival, o Eazy, antiga Broadway, terá dois palcos e um espaço com capacidade para 2 mil pessoas. A casa que já foi palco de shows históricos como Superchunk, Fugazi, Seawwed e Man Or Astroman apareceu como a escolha mais apropriada e natural para receber o braço paulista do Noise Festival.

A idéia de realizar a primeira edição do Noise em São Paulo veio da maturidade do festival goiano e da cena independente brasileira que, por mais que tenha se desenvolvido bastante nas diferentes regiões do Brasil, ainda tem São Paulo como o grande centro da música alternativa do país.

SP Noise Festival

21 e 22 de novembro

Eazy - Av. Marquês de São Vicente, 1767, Barra Funda - São Paulo - SP. Tel: (11) 3611-3121.

Ingressos:

21/11 (sexta-feira): 55 reais antecipado - 65 no dia

22/11 (sábado): 65 reais antecipado - 80 no dia

Os ingressos antecipados na Sensorial Discos - Rua 24 de Maio 116 (Rua Alta), Centro. Tel: (11) 3333 1914

Censura: 16 anos

Abertura da casa às 18:00 na sexta e às 17:00 no sábado

FESTIVAL DOSOL NO PROGRAMA RADIOLA - TRAMA VIRTUAL

Cobertura da TramaVirtual que se fez presente no Festival, deu presentinhos pra galera que tocou, entrevistou geral!!! Fizeram o rock!! Sacae o vídeo que foi ao ar no programa Radiola:

terça-feira, 18 de novembro de 2008

FESTA COUNTRY BILLY

Na próxima sexta feira(feriado), é dia de muito country e rockabilly no Castelo Pub. Quem dá o tom da festa são as bandas Kentucky e Los Costeletas Flamejantes prometendo uma ótima noite.

Segue o serviço:

Sexta, 21 de Novembro
Castelo Pub, Rota do Sol, Ponta Negra
22h
Entrada:
5,00 até meia noite
7,00 após meia noite

FESTIVAL EL MAPA DE TODOS ACONTECE EM BRASÍLIA



Fonte: Press Release
Foto: Renato Reis
Nos próximos dias 27, 28 e 29 de novembro, acontece em Brasília o festival “El Mapa de Todos”, reunindo artistas do Peru, Chile, Argentina, Uruguai, Espanha, Portugal e Brasil. Mais um “Projeto Senhor F”, o festival tem curadoria do editor do portal Senhor F, Fernando Rosa, e co-produção de Senhor F e Scatter Records, de Buenos Aires. O festival é realizado em parceria com o Espaço Brasil Telecom, também sede do evento.

Entre as atrações do Festival El Mapa de Todos estão Babasonicos, uma das bandas mais importantes do rock em espanhol atualmente, e La Quimera del Tango, ambos da Argentina, Turbopotamos do Peru (que abriu recemente para o REM, em Lima), Javiera Mena do Chile, Sr. Chinarro da Espanha, Azevedo Silva de Portugal e Danteinferno do Uruguai - visite o MySpace de cada um dos artistas (abaixo).
Do Brasil, destaca-se Marcelo Camelo, que lança em Brasília seu primeiro disco em carreira solo, Mundo Livre S/A, Macaco Bong e Beto Só, o anfitrião brasiliense.

O festival ainda contará com mais dois artistas nacionais, escolhidos por meio de seleção do portal iG. Além de shows, haverá feira de discos, apresentação de vídeos e debates sobre a integração regional.

Filiado a Abrafin (Associação Brasileira de Festivais Independentes), o festival integra o calendário oficial de atividades do Ministério da Cultura para o Mercosul. Neste semestre, o Brasil ocupa a presidência Pro Tempore do Mercosul, com a atribuição de gerir todas as frentes de atuação.

O evento será transmitido integralmente e ao vivo pelo Canal Integración para toda a América Latina. A Rádio Câmara também tranmitirá os shows ao vivo, com emissão disponível na internet. A TV Brasil registrara o evento e produzirá programas especiais sobre o festival e seus conteúdos. Na quinta e na sexta-feira, o programa “Atitude.com” (das 18 às 19 horas) será veiculado diretamente do festival.

“O festival El Mapa de Todos é um desdobramento, uma evolução do Senhor Festival. Depois de organizar o evento por três anos, com essas características, em 2007, com participação de artistas da Argentina e do Chile, decidimos ampliar o conceito”, diz Fernando Rosa, idealizador do festival. “Então - segundo ele - na terceira edição do Senhor Festival, anunciamos, em novembro do ano passado, o El Mapa de Todos, focando a idéia da integração sul-americana, inicialmente”. “Na época, prometemos realizar o festival ainda neste ano, o que estamos cumprindo agora, um ano depois”, comemora.

Com dez anos na rede, o portal Senhor F tem um histórico de ligação com a música em espanhol. Nesse período, passaram pelas páginas do portal a origem do rock da região, as suas principais bandas e os discos mais importantes. A Agência Senhor F também acompanha as cenas independentes atuais, as novas bandas que surgem e os lançamentos.

Recentemente, ampliando essa conexão, a produtora Senhor F criou o programa Senhor F Sem Fronteira, veiculado pela Rádio Câmara ao vivo e pela internet. Voltado para a música ibero-americana, o programa já chegou à quadragésima-terceira edição, apresentando mais de 400 artistas, e transformando-se em referência da música sul e ibero americana no Brasil.

A programação

Quinta - 27/11

Beto Só (Brasil)
Azevedo Silva (Portugal)
Danteinferno (Uruguai)
Marcelo Camelo & Hurtmold (Brasil)

Sexta - 28/11

Seleção iG (Brasil)
Macaco Bong (Brasil)
Turbopotamos (Peru)
Babasónicos (Argentina)

Sábado - 29/11

Seleção iG (Brasil)
La Quimera del Tango (Argentina)
Javiera Mena (Chile)
Sr. Chinarro (Espanha)
Mundo Livre S/A (Brasil)

CAOS NATAL 2008



Já está tudo pronto para edição de 2008 do Caos Natal. O evento contece dias 06 e 07 de dezembro com DFC (DF) e Maldita (RJ) como headliners, além de bandas de Natal, Mossoró e Recife. Toda a programação vai rolar no Centro Cultural Dosol. Confira o line up completo:

:::: CAOSNATAL 2008 ::::

SÁBADO, DIA 06 DE DEZEMBRO, 16H
ANTISKEUMORRA
PSICOMANCIA
LEI DO CÃO (MOSSORÓ)
NAKARA (PE)
DFC (DF)

DOMINGO, 07 DE DEZEMBRO, 16H
OFFDAY
VENICE UNDER WATER
CALISTOGA
WHEN A LOTUS DRY
RAVANES
AK-47
MALDITA (RJ)

INGRESSO POR DIA - R$7,00

LEPTOSPIROSE(SP) EM NATAL



Dia 28 de novembro de 2008

Natal/RN


Tudo pode acontecer numa sexta-feira à noite. Cortando a rotina da capital do cakiado, às 22:00 horas no Centro Cultural Dosol, Ribeira acontece o encontro entre desregulados de vários tamanhos e lugares diferentes. Uma festa inusitada com ritmos efervescentes que terá inicio com os anfitriões:

Os Bonnies, desde 2000 que esses sujeitos sacodem as noites natalenses com seu Chuck Berry de pedreiro, uma espécie de rockabilly misturado com artimanhas criadas por eles mesmos. Vampiros, cupidos e adolescentes briguentos se misturam na psicodelia entre as guitarras e os teclados nessa suave e feroz banda que a cada dia recria sua maneira de existir e surpreende seus apreciadores, seja através da música ou de seus videoclipes, feitos com desenhos animados pelos próprios integrantes da banda.




Mahatma Gangue, a segunda banda da escalação são esses delinqüentes vindos de “Mossoró Crater City” que em quase 1 ano de existência, lança seu primeiro cd/ep chamado Ritmo Selvagem. Imagine os Ramones voltando no tempo, se encontrando com os Ventures e marcando um encontro com os Saicos. Esses surfistas punks do sertão vêm para mostrar que a viagem “back from the grave” nunca acaba.




Leptospirose, para abrilhantar a noite, os desmiolados caipiras vindos de Bragança Paulista/SP. Eles que vêm galopando em seu novo cd, “Mula Poney” em sua 1º turnê tour pelo nordeste, poucos meses após capotarem uma van em sua turnê tour pela Europa, mostrando que não existe limite nem descanso para o rock and roll. Eles se definem como Marginal Rock, e nada é mais fiel ao som que eles fazem do que essa definição. Ora Dead Kennedys, ora The Who, ora Joy Division, oraMotorhead, ora Tim Maia, ora Ramones, mas sempre com dose exagerada de humor e letras que parecem terem sido escritas por altistas da APAE.




Uma noite para gente maluca onde ritmos e universos diferentes e iguais se cruzam. Caipiras, morcegos, feiticeiras, adolescentes apaixonados, furiosos, muito altismo, coisa sem sentido e dadaísmo levado as últimas conseqüências. Você não está pinel de perder o encontro entre Quique Brown e James Dean, está?


Natal/RN - Dia 28 de novembro

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

LEELA(RJ) EM NATAL - COMO FOI?


Por Rafaum Costa

Cerca de 80 pessoas compareceram ao Centro Cultural Dosol pra ver os cariocas do Leela. Iniciando os trabalhos veio o Fliperama com seu punk rock Bubllegum com gás total, tocando uma atrás da outra, destaque pras guitarras que ficaram bem reguladas e o público ja começou a entrar, desfilaram músicas como "Angelie", "Cadilac Rosa" e a minha praferida "Avião". A banda deve estar com coisas novas no início do ano, vale a pena esperar, pois o som Ramoniano nunca morre entre os rockeiros. Após o desfile de hits do Fliperama veio o Distro que fez um show legal e enérgico, num vou falar mais nada porque estava tocando. Com uma demora absurda de quase uma hora o Leela sobe ao palco e com eles, os as que se reuniam na frente do bar para ver os caricoas que possuem um show muito consistente e bem feito, com direito a congas e efeitos "noise" do gitarrista bem competente. Vale salientar a presença de muitas meninas de 16 a 17 anos, molecada tirando fotos, pedindo autógrafos, comprando cds. Acho que o show do Leela foi massa, e só! As melodias de voz as vezes soam estranho dando sensação de desafinação, mas é o rock doido das caveira preta do domingo a tarde.
Até o próximo ruído rocker!!

UZOMI(RJ) TOCA DOMINGO EM NATAL



No próximo domingo Natal receberá os cariocas do UZOMI(RJ) e para a festa não perder o peso, teremos as grandes bandas locais Outset e Ravanes, mais a participação dos paraibanos do Letal e os piauienses d´A Falange. Sacae o Myspace dos caras pra já ir tocando o terror!!

MYSPACE UZOMI


MYSPACE OUTSET

MYSPACE LETAL


MYSPACE RAVANES

MYSPACE A FALANGE

DOMINGO, DIA 23 DENOVEMBRO
CENTRO CULTURAL DOSOL, 17H
UZOMI (RJ)
OUTSET (RN)
A FALANGE(PI)
LETAL (PB)
RAVANES (RN)
R$5,00

GOIÂNIA NOISE FESTIVAL



Conteúdo: Monstro Discos

14º Goiânia Noise Festival
A maior festa do rock brasileiro!
!

Planeta: Terra. Cidade: Goiânia.
A invasão vai começar!
Vindos dos mais distantes pontos do planeta eles se preparam para ataques sonoros capazes de provocar histeria em massa. Estados Unidos, Canadá, Finlândia, Bélgica, Inglaterra, Escócia, Chile, Argentina... e ainda brasileiros de cidades remotas como João Pessoa, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Florianópolis, São Paulo, Brasília...
Entre os dias 21 e 23 de novembro, a capital goiana recebe artistas de lugares tão diferentes e distantes para mais um Goiânia Noise Festival. A 14ª edição da maior festa do rock brasileiro será novamente no Centro Cultural Oscar Niemeyer e reunirá 44 bandas para três noites de rock sem parar! São nomes como Helmet (EUA), Marcelo Camelo (RJ), Vaselines (Escócia), Inocentes (SP), Black Mountain (Canadá), Periferia S/A (SP), Claustrofobia (SP), Flaming Sideburns (Finlândia), Frank Jorge (RS), Ganjas (Chile), Cabruêra (PB), Black Lips (EUA), Instituto (SP) e muito mais! Um amplo panorama do que há de melhor no rock mundial na atualidade. Com patrocínio da Novo Mundo (via Lei Goyazes) e apoio da Agepel, Prefeitura de Goiânia, Lei Municipal de Incentivo à Cultura, Citröen, Uol, Trama, Sol, Sebrae e Ambiente Skate Shop, o Goiânia Noise Festival de 2008 será a maior e mais internacional de todas as edições já realizadas. Um verdadeiro marco para cidade com participação de bandas dos mais variados estilos, sotaques, linguagens, bizarrices e loucuras.
Junte-se a eles você também!


RAPPER JOÃO XAVI VOLTA DE TOU EUROPÉIA




Conteúdo: TramaVirtual
Foto: Overmundo
A estrada para novas expressões da música brasileira independente está aberta no exterior. O rapper João Xavi, por exemplo, acaba de voltar de uma viagem pela Europa. Depois de preparar uma nova faixa, "Batuque de Pedreiro" (você confere aqui), no começo do ano e realizar apresentações em cenários improváveis - como a celebração Hardcore Verdurada -, veio a oportunidade. Se liga no relato:

"O convite partiu da Carolina Amorim, uma amiga brasileira que está morando na Alemanha. Ela organizou três shows e nós corremos atrás de outras apresentações. Saímos do Brasil no começo de setembro com sete datas marcadas. Foram quatro shows, um deles rolou em um “baile funk!”, em Nuremberg (cidade da região da Bavária). Depois fiz um show em Berlin, num festival anti-fascista chamado No Nation Jam. O festival rolou numa estação de metrô abandonada que, devidamente adaptada, acolheu 500 pessoas a fim de dançar e protestar contra a forma que a Alemanha trata os imigrantes e refugiados. Saí de Berlin para Leeds (Inglaterra) onde toquei para mais ou menos 700 pessoas numa festa de música brasileira chamada Carnaval. Foi bem engraçado cantar depois de um show de passistas de samba, entre um som da Ivete Sangalo e dos Aviões do Forró. De qualquer maneira, foi o show que o pessoal mais interagiu, dançou e se divertiu. Já passaram vários nomes de peso no clube onde rola essa festa (Faversham). Recentemente, o lugar abrigou shows do rapper Necro e da banda Franz Ferdinand.", descreve João.

E teve mais:
"De Leeds parti pra Londres e fiz uma festa junto com o pessoal do Clek Clek Boom. A festa rolou no Favela Chic, aquele bar de música/culinária brasileira, onde eu pude matar a saudade do guaraná e do pão de queijo. O último show rolou no Favela Chic de Paris, numa quinta-feira, para mais de 400 pessoas. O bar estava lotado e o povo caiu no sacolejo durante o show."

Na volta, completamos, rolou apresentação no Circo Voador, que rendeu até imagens para um futuro vídeo. Essa pequena jornada européia de João tem nuances específicas. Fora essa questão da abertura facilitada na Europa e em outros cantos, a jornada, em si, talvez não nos diga nada de tão importante ou inesperado sobre o estado das coisas lá ou aqui para artistas independentes da atualidade. Mas a prova é prática: com alguma correria, algum foco e tempo, dá para se divertir e transmitir sua música.

João Xavi é do setor, tipo, engajado do gênero, identificado com a cultura urbana. Um pouco mais de sua trajetória até aqui, por ele mesmo:

"Comecei a cantar rap em junho de 2006, tem pouco tempo.Antes disso eu já tinha cantado em algumas bandas de hardcore, mas nada muito sério... Eu já era amigo do Raphael Garcêz e ele começou a trabalhar com o Pablo Duca (os dois passaram a usar o nome Beatbass HighTech), os caras me mandaram dois beats e me convidaram pra gravar quando fui fazer uma visita à cidade deles, Volta Redonda (interior do Rio). Fizemos uma primeira música e todo mundo gostou do resultado.

Isso tudo rolou em junho de 2006, e no final do ano produzimos a primeira demo Dias de luta noites de amor, que foi muito bem recebida.

Fizemos muitos shows em 2007, toquei em tudo quanto é lugar que julguei bacana tocar. Fiz show de ocupação Sem Terra até a PUC Rio. Participei de um evento chamado GRAP (Grafite, rap & poesia) em que grafiteiros "ilustravam" poesias, eu fui o único rapper convidado. E segui compondo e gravando.

Lançamos ano passado a demo alta fidelidade."